Isaac flex novel
Isaac

Isaac: Capítulo 14

A nova vida bizarra com Kunette estava sendo inesperadamente normal. Kunette era uma criança quieta. Talvez ela fosse muito jovem? Ela nunca falou ou mostrou qualquer expressão. Mas estranhamente, ela não tinha problemas em seguir Isaac. Na verdade, ela sempre estava seguindo Isaac.

 

Quando Mazelan desceu para verificar como eles estavam, ele se apaixonou pela fofura de Kunette e tentou dar um abra√ßo nela.¬†Ela imediatamente revidou com um √ļnico golpe de suas patas, quebrando uma das costelas de Mazelan.¬†Bem, fora este pequeno incidente, a vida de Isaac praticamente n√£o mudou.

 

‚ÄúUfa! Eu peguei, peguei!”

 

Isaac finalmente entendeu os sentimentos de um pescador ao tirar um peixe do tamanho de um braço após 10 minutos de luta. Um peixe que ele nunca tinha visto, sua aparência era bastante estranha e incomum, embora, por outro lado, Isaac não tenha encontrado peixes em sua vida passada, vendo-os, principalmente, já cozidos, em restaurantes ou em cantinas.

 

“Voc√™ quer um pouco?”

 

Isaac perguntou a Kunette que estava sentada ao lado dele, que estava observando as ondas. Com um rápido olhar para o peixe, ela se virou e balançou a cabeça.

 

Isaac estava inicialmente incomodado com esse estranho comportamento, mas logo aceitou, afinal, ele próprio não era um cara particularmente sociável e tagarela.

 

Isaac pegou uma faca, cortou a cabe√ßa do peixe, abriu o est√īmago, tirou os intestinos e as escamas.

 

“Voc√™ n√£o vai cozinhar isso?”

 

‚ÄúUm peixe fresco fica mais gostoso quando voc√™ come cru.‚ÄĚ

 

O corte era amador na melhor das hipóteses, mas nada disso importava, pois tinha um gosto irresistível. Deve ter sido o resultado desse ambiente limpo e intocado pela poluição, ao contrário do mundo em sua vida anterior.

 

‚ÄúOh, que del√≠cia!‚ÄĚ

 

Era uma pena que n√£o houvesse nenhum molho de sashimi ou soju para acompanhar, mas ele ainda estava satisfeito com o gosto delicioso que derretia em sua boca.

 

“Hm?”

 

Parecia que Isaac era muito convincente pela maneira como comia.¬†Kunette colocou suas ador√°veis ‚Äč‚Äčpatas nos joelhos de Isaac.

 

“Voc√™ quer?”

 

Ela acenou com a cabeça.

 

“Ent√£o diga ahh.”

 

“‚ĶAhh.”

 

Enquanto observava Kunette abrir obedientemente sua boquinha, Isaac colocou um pedaço de sashimi na boca de Kunette.

 

(Eu sinto que estou trabalhando em um zoológico agora.)

 

Quando estava ocupado com seus próprios pensamentos, Kunette deu algumas mordidas e cuspiu o resto do peixe de sua boca.

 

“Ai credo.¬†Isaac mentiroso‚Ķ. ruim.”

 

“Tsk tsk, √© um gosto que s√≥ um adulto pode entender.”

 

!

 

“Ahhh!¬†Minha vara de pescar!¬†S√≥ tenho uma! ‚ÄĚ

 

Isaac percebeu que Kunette odiava ser tratada como uma criança ou ouvir que ela era adorável. No início ele decidiu ignorar esse fato, mas não havia vantagem em irritar alguém no Campus.

 

Além disso, é óbvio que Kunette será muito popular devido à sua fofura no Campus, o relacionamento amigável de Isaac com as meninas no Campus terminaria na mesma hora se Kunette abertamente se posicionasse contra ele. Ele precisava encontrar uma maneira de acalmá-la.

——

 

“O que voc√™ est√° fazendo?”

 

‚ÄúAlguns biscoitos para comer como lanche.‚ÄĚ

 

“Biscoitos?”

 

“Sim.¬†Voc√™ j√° comeu algum antes?”

 

‚ÄúBiscoitos saborosos…¬†eu quero ajudar.”

 

“Ent√£o voc√™ pode amassar a massa para mim?”

 

Isaac achava que a massa ficava melhor quando amassada à mão, mas isso era impossível com as patas de um urso. Além disso, provavelmente haverá uma grande quantidade de pelo branco na massa pegajosa, tornando os futuros biscoitos, pelo menos, não comestíveis. Então ele jogou uma colher de pau junto com a tigela de farinha, e Kunette sentou-se no chão e começou a mexer a massa com toda sua força.

 

Kunette n√£o era experiente na cozinha e muito do conte√ļdo da massa espalhou-se por toda a cozinha.¬†Restou apenas metade do que Isaac havia dado, mas Isaac n√£o podia dizer n√£o aos olhos de Kunette brilhando com a expectativa de ser elogiada.

 

“Muito bem… obrigado.”

 

Envergonhada, Kunette saiu correndo da cozinha. Isaac pensou no que fazer com apenas um pouco de farinha, mas decidiu não parar no meio do caminho. Ele ainda não sabia como assar biscoitos adequadamente. Ele está apenas agindo como se soubesse o que está fazendo ao se lembrar do que Eliza fez quando a viu cozinhar.

 

“Vamos ver.¬†5 minutos seriam suficientes? ‚ÄĚ

 

Parecia que ele estava pulando um passo, mas tanto faz. Depois de dar forma e arrumar a massa, colocou-a no forno e girou o relógio.

 

Quando a massa come√ßou a inchar, ela come√ßou a liberar um delicioso aroma no ar.¬†O problema era que s√≥ cheirava bem…

 

‚ÄúTem gosto de farinha.‚ÄĚ

 

O biscoito estava duro como uma rocha por fora e seco por dentro. Fracasso completo.¬†Enquanto Isaac se perguntava no que fazer, Kunette apareceu ao lado dele com seus olhos ador√°veis ‚Äč‚Äčmais uma vez, ela estava obviamente implorando por um biscoito.

√Č √≥bvio que ela ficar√° brava se provar isso.

 

(Vai ser caro, mas acho que n√£o tenho escolha.)

 

Doces n√£o eram comuns neste mundo, porque o a√ß√ļcar ainda n√£o foi inventado aqui.¬†Geleias de frutas existiam, mas faltava o teor de glicose na geleia com a falta de a√ß√ļcar, o que a tornava bastante sensabor para o gosto de Isaac.

 

Alcançando um armário próximo, ele tirou um pote do tamanho de sua mão. Depois de abrir, ele molhou o dedo e lambeu. O sabor era aceitável.

 

“I-isso √© mel?”

 

“Hm?”

 

Esta foi a primeira vez que Kunette gaguejou. Seus olhos estavam fixos no pote de mel que Isaac estava segurando.

 

(Os ursos gostam de mel, não é?)

 

Ele pensou no Ursinho Pooh enquanto falava.

 

“Voc√™ quer?”

 

Kunette acenou com a cabeça com um entusiasmo que Isaac nunca tinha visto antes. O mel neste mundo não era uma raridade, mas também não é um alimento comum.

 

Em geral, o mel pode ser considerado um luxo. Na maioria das vezes, era usado como ingrediente para sobremesas então o mercado era pequeno demais para atender a demanda do Império. Isso fez com que seu preço subisse, tornando-o acessível a todos, mas muito caro para comer à vontade.

 

O próprio Isaac tinha mel apenas porque era necessário para os negócios. Havia uma jovem no Campus que era literalmente viciada em mel. Sua família se dedicava à apicultura. Infelizmente, ela nunca conseguiria nada enquanto estivesse no Campus, o que a deixava louca. Isaac foi como um herói salvador para ela.

 

Ela não poderia durar nem um mês com a quantidade de mel que ela tinha permissão para trazer com ela. Mas se ela pegasse o mel com Isaac e armazenasse, ela poderia comer quando quisesse. Como o mel também era muito popular entre os outros alunos, Isaac pegou um pouco do mel para si como parte do pagamento e depois o revendeu.

 

‚ÄúParece que eu nem precisei fazer biscoitos.‚ÄĚ

 

Isaac jogou fora os biscoitos em silêncio enquanto observava Kunette devorar o pote de mel, aliviado ao perceber que havia encontrado uma maneira muito conveniente de acalmar essa garota estranha, e talvez até atraí-la para seu lado. Para usá-la no futuro.

 

——

A segunda convidada veio √† noite, quando o fim das f√©rias se aproximava.¬†Ela era da Reserva √Člfica, que fica na parte sul do continente.¬†Sua fam√≠lia era chamada de Fam√≠lia da N√©voa, que era altamente respeitada entre outras fam√≠lias √©lficas renomadas.¬†Como esperado de um elfo, ela era uma bela donzela.¬†Sua figura era como a de uma est√°tua, com corpo esguio e seios bem grandes.

 

‚ÄúOl√°, Sunbaenim!¬†Meu nome √© Reisha!¬†Ah!¬†Kunette! ‚ÄĚ

 

(NT: ‚ÄúSunbaenim‚ÄĚ √© uma forma formal de se referir a um indiv√≠duo, geralmente mais velho.)

 

!

 

Parecia que as duas se conheciam bem. Reisha se aproximou de Kunette, pegou-a no colo e começou a girar, enquanto Kunette rosnava e se contorcia, tentando se livrar do aperto implacável.

 

“Como voc√™ chegou aqui?”

 

Isaac n√£o viu o navio se aproximando.¬†Al√©m do navio, n√£o havia como chegar ao Campus.¬†√Č por isso que ele estava confuso em v√™-la aqui.

 

“Estou com muita fome! O que temos para o jantar hoje?”

 

Em vez de responder ela disse isso, depois de brincar com Kunette, Reisha colocou Kunette de volta no chão, apenas para começar a fugir de Kunette quando ela começou a atacar Reisha. Ela fez a pergunta enquanto estava fugindo.

 

“Eu estava pensando em comer um bulgogi, mas …”

 

‚ÄúAh!¬†Parece delicioso!”

 

‚ÄúOs elfos podem comer carne neste mundo?”

 

O conhecimento comum sobre os elfos é que eles são vegetarianos. Mas ver Reisha babar pelo canto da boca com uma expressão como essa parecia dizer a Isaac que os elfos neste mundo eram diferentes. O que isso importa? Até Kunette se acalmou depois de ouvir a palavra carne.

 

Isaac come√ßou a cozinhar a carne enquanto ignorava as constantes reclama√ß√Ķes de Reisha e Kunette.¬†Como passarinhos, eles cantavam constantemente para Isaac se apressar.

 

Como não havia como obter molho de soja neste mundo, ele apenas fez a marinada com água salgada, um tempero chamado Shapran, cebolas, cenouras e outros vegetais. Ele terminou com bastante mel e colocou a carne na marinada.

 

(NT: A marinada é uma técnica culinária)

 

Apesar da falta de experiência de Isaac, a carne marinada desde a manhã havia absorvido muito do sabor e, no momento em que foi colocada na frigideira, um aroma gostoso começou a invadir a cozinha.

 

“Uau!¬†Eu nunca sentir um cheiro assim antes!¬†Hmm!¬†Como cheira delicioso! Vamos logo! ‚ÄĚ

 

“‚Ķ Eu tamb√©m.”

 

‚ÄúAqui, vamos comer!‚ÄĚ

 

√Č bom que Isaac tenha preparado uma por√ß√£o maior com anteced√™ncia, contando com o apetite exigente de Kunette, que √© o mesmo de um urso.¬†Durante todo o jantar, Isaac conversou o m√°ximo que p√īde com Reisha, na esperan√ßa de saber mais sobre ela.

 

Ela havia chegado originalmente muito mais cedo do que Kunette, mas todo esse tempo ela esteve se divertindo, explorando os arredores. Quando Isaac perguntou como ela chegou aqui sem um navio, Reisha mostrou a ele seu controle sobre o espírito da água.

 

Isaac ficou perplexo com o fato de que ela surfou todo o mar usando uma pequena prancha de madeira como prancha de surf. No entanto, Reisha admitiu que nunca teria ousado fazer essa viagem se Gabelin não estivesse tão perto do Campus. E então ela acrescentou que foi divertido.

 

“Espera.¬†Ningu√©m te impediu? Nem um √ļnico navio? ”

 

Isaac rapidamente percebeu que algo estava errado e a interrompeu no meio da frase.¬†O Campus √© uma das instala√ß√Ķes mais importantes do Imp√©rio.¬†A Marinha patrulhava regularmente suas fronteiras, impedindo qualquer embarca√ß√£o n√£o autorizada entrasse na √°rea.

 

N√£o importa o qu√£o pequena e bizarra fosse a prancha de Reisha, ela estava fadada a ser descoberta. E mesmo o fato de ela ser uma estudante universit√°ria n√£o deveria ser considerado um argumento suficiente.

 

Isso significaria que havia duas maneiras poss√≠veis de chegar ao Campus. Uma foi que Reisha conseguiu encontrar um buraco na vigil√Ęncia da Marinha e se infiltrou, enquanto a outra seria que a Marinha foi negligente com seu dever.¬†Por ser um homem experiente nos m√©todos militares, Isaac achou a √ļltimo op√ß√£o mais convincente.

 

Isso estava fadado a acontecer quando alguém repete tarefas em tempos de paz. Não se sentindo ameaçados, os militares poderiam facilmente providenciar uma pausa ou outras maneiras de relaxar. Mas seja como for, esse fato é mais do que suficiente para virar a Marinha do Império de cabeça para baixo.


PR√ďXIMO CAP√ćTULO

P√ĀGINA

CAP√ćTULO ANTERIOR